Quando você era mais jovem talvez recebesse uma mesada de seus pais. Recebia as notas, contava guardava, ia na padaria ou banca comprar alguma coisa e tinha, além do prazer da compra, uma dorzinha de perda ao perceber as notas indo embora e seu “patrimônio” se acabando…

Agora você cresceu e tudo mudou, já nem gosta de dinheiro mais, sua vida financeira se baseia em cartões. Porém foi embora a percepção física e psicológia da sua variação patrimonial, você não têm mais o dinheiro para contar, passar o cartão na leitora não têm o mesmo peso, você esquece ao longo do mês e se assusta quando chega a próxima fatura. E com diversas promoções e cartões, os limites muitas vezes superam todos seus ganhos, como escapar dessa armadilha?

Vou sugerir algumas medidas que podem ser usadas juntas ou não, você tem que ver o melhor para seu perfil:

– Acompanhe de gastos – registre, de preferência escreva em algum lugar todos seus gastos no cartão, ou acompanhe na operadora pela internet toda semana, mas você tem que saber antes da fatura chegar, quanto vai pagar acabando assim com os sustos e surpresas indesejadas .

– Limite os cartões – você precisa realmente de todos os cartões que têm? Menos cartões e limites ajudam a ter menos gastos. Você carrega quantos cartões? Se tiver vários, não carregue todos. Antes de sair pense no que pretende gastar, no que pode precisar e carregue o mínimo necessário, talvez apenas um. Isso ajuda a evitar as comprar por impulso.

É claro que você merece os pequenos prazeres que o cartão de crédito compra, o sapato, o celular novo, aquele livro que vai direto para a estante pois você esta sem tempo de ler agora mas também merece aquele carro novo, uma casa melhor e talvez aqueles pequenos prazeres possam atrapalhar estas grandes conquistas. Temos que vencer as batalhas do dia a dia para virarmos vencedores na guerra pela vida.